• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

04/09/2019 | 'Mexer no teto é como viciado pedir mais um traguinho', diz economista - O Estado de S. Paulo

Em vez de discutir a flexibilização do teto dos gastos, o governo deveria focar em medidas que reduzam as despesas estruturais, como regras que vinculam gastos à inflação, na análise da economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif. “Abrir esse precedente (mexer no teto) é o equivalente ao sujeito que é viciado e fala: ‘só mais um traguinho’”, diz Zeina. Para ela, uma mudança no teto só pode ser feita após a estabilização da dívida em relação ao Produto Interno Bruto (PIB).

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista:

Parte do governo estuda flexibilizar a regra do teto. O que acha dessa medida?

Não é uma boa ideia. Abre um precedente ruim. A regra do teto foi elemento-chave para  conquistarmos esse ambiente de Selic baixa. Ela foi essencial, porque dá uma perspectiva de ajuste fiscal e contribui com o trabalho do Banco Central para ancorar as expectativas. Abrir esse precedente, para mim, é equivalente ao sujeito que é viciado e fala: ‘só mais um traguinho’. Acho que não deveriam fazer isso neste momento. Tem de insistir na agenda de redução de despesas estruturais, mudando essas regras que vinculam gastos à inflação. Ir para outras medidas de corte de despesas. Entendo a preocupação com o risco de paralisar as atividades, mas acho que o Brasil não tem maturidade para flexibilizar essa regra pelo menos até que se tenha de fato uma trajetória de dívida como proporção do PIB (Produto Interno Bruto) sob controle.

Nem investimentos poderiam ser excluídos?

Não é trivial deixar de fora investimentos. Que investimentos? Tem investimento que a gente faz e não tem um retorno adequado, retorno inclusive social. A gente gasta muito mal. Nem sempre são boas ideias. Na maioria das vezes, não são boas ideias. Tem uma questão técnica aí de o que exatamente poderia se incluir nessa flexibilização no caso de deixar de fora investimentos. Acho que está na hora de a gente avançar em outras medidas para diminuir a rigidez de gastos obrigatórios. É nessa agenda que a gente tem de avançar, e não flexibilizar a regra do teto.

E o governo deve fazer alguma outra coisa para impulsionar o crescimento da economia, dado que o País está estagnado?

Não enxergo atalhos. A gente vai ficar um tempo ainda com crescimento baixo. Não consigo enxergar ainda uma arrancada para valer de crescimento econômico. A gente está falando de uma economia que está muito fragilizada. O potencial de crescimento, no nosso cálculo na XP, não é mais de 1%. É até ligeiramente abaixo. Não vai ter milagre. O instrumento fiscal, acho que a gente perdeu. Agora, claro, tem corte de juros do BC, o mercado de crédito está tendo uma boa evolução. A gente vê os setores que mais dependem do crédito avançando. Tem as concessões de infraestrutura, que já têm um cronograma definido. Na área fiscal, a gente precisa rever vários estímulos tributários. Gerar uma agenda para isso. O que quero dizer é que não tem bala de prata, ir lá, fazer uma grande medida e aí a economia vai ter uma arrancada de crescimento. Temos de avançar em várias frentes, acelerar e ter clareza de objetivos. Algumas medidas, como reforma tributária, não têm impacto rápido e também não são neutras na atividade. Tem setores em que a carga tributária vai aumentar.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02