• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

01/10/2019 | Sindicato dos Metalúrgicos fecha venda de sede em São Paulo por R$ 140 mi - Folha de S. Paulo

Com dívida de R$ 20 milhões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes fechou a venda de sua sede, no bairro da Liberdade, por R$ 140 milhões. 

O negócio já havia sido autorizado pelos trabalhadores em assembleia. Miguel Torres, presidente do sindicato, afirma que a venda depende ainda de aprovação do conselho fiscal da entidade, o que deverá ocorrer dentro de dois dias.

Torres diz que o sindicato ainda analisa as garantias oferecidas pela compradora —uma empresa do setor de logística-- para fechar o negócio.

“O prédio está ocioso. São 14 andares, mais três intermediários e os do subsolo. Tentamos alugar, mas não conseguimos”, disse.

O edifício tem também heliponto, auditório com capacidade para 900 pessoas e três andares de subsolo capazes de abrigar até 250 carros. Símbolo de tempos de bonança para o sindicalismo, o edifício tem duas torres de elevadores, somando nove compartimentos e espaço para exposições.

Em reunião nesta segunda (30), a diretoria do sindicato foi informada que toda a receita obtida nas da negociação coletiva foi consumida até setembro.

O custo de manutenção do sindicato é de R$ 3,5 milhões mensais. 

Além da sede, o sindicato —que é filiado à Força Sindical— vai vender sua subsede em Mogi das Cruzes, um clube de campo, uma colônia de férias e outros imóveis.

Após deixar a sede, os Sindicato dos Metalúrgicos passará um tempo instalado na Força Sindical. Com o dinheiro arrecadado na venda, o plano dos sindicalistas é comprar um imóvel menor.

Uma das possibilidades em estudo é a compra da sede da própria Força, que também está à venda e é avaliada em R$ 16 milhões. A Força Sindical também é presidida por Miguel Torres.

A central não é a única a enfrentar severa crise financeira.

O fim do imposto sindical obrigatório, associado ao alto índice de desemprego, derrubou a receita de todas as centrais. Maior delas, a CUT (Central Única de Trabalhadores) chegou a negociar a venda de sua sede, no Brás, além de elaborar um plano de redução de secretarias e corte de pessoal.

 

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02